Notícia

Tecnologia para RH

25/04/2022 - 15h30

Especialista comenta o uso de apps para treinamento no ambiente do Metaverso

Para Tatiany Melecchi, esse é o próximo estágio da internet e já está em curso

 

 

Embora a indústria global em geral ainda esteja no estágio de aprendizado, planejamento e desenvolvimento do Metaverso, essas tecnologias imersivas, juntamente com a inteligência artificial (IA), já estão impactando notavelmente uma área de negócios em particular: a de treinamento e desenvolvimento corporativo, que será impactada de diversas formas.

 

Um exemplo é que, recentemente, a Accenture comprou mais 60 mil headsets de realidade virtual (VR) para a área de treinamento. “A empresa também anunciou o investimento na plataforma da Talespin, uma startup que visa usar a XR (realidade estendida) para incentivar as pessoas a aprenderem mais rápido, validarem suas habilidades e encontrarem mobilidade ascendente na força de trabalho”, detalha Tatiany Melecchi, CEO da Consultoria Transforma People & Performance.

 

Tatiany, que é mestre em Marketing pela Massey University (Nova Zelândia) e primeira brasileira certificada como Professional in Talent Development pela ATD (Association for Talent and Development, dos Estados Unidos), também conta que, em um artigo publicado pelo site Fast Company, Ed Beltran, CEO da Fierce Conversations, destacou as experiências de aprendizado no Metaverso como uma inovação disruptiva que pode otimizar significativamente o treinamento, o desenvolvimento e o aprendizado real.

 

“Ele reforça que cada vez mais as empresas estão migrando para ambientes de trabalho remotos ou híbridos. Os executivos não apenas apreciam a necessidade, mas estão adotando com muito entusiasmo novas abordagens para treinar, sustentar e desenvolver suas equipes para se manterem ágeis e competitivos”, aponta.

 

Maior engajamento e retenção da aprendizagem

O Metaverso, prossegue a especialista, oferece métodos de engajamento novos e interativos em relação ao treinamento 3D, Realidade Virtual (VR), Realidade Aumentada (AR) e Realidade Estendida (XR), que permitem às pessoas aprenderem mais rápido, reterem melhor as informações e realmente aproveitarem o processo.

Um estudo mostrou que os colaboradores que treinaram em simulações de realidade virtual aprenderam quatro vezes mais rápido se comparado aos alunos em sala de aula, e duas vezes mais rápido que os e-learners. Além disso, em relação à alocação de recursos, as aulas no Metaverso são mais curtas, com apenas 20 minutos. A modalidade digital convencional leva em torno de uma hora.

 

Gamificação enriquecedora

A gamificação torna o aprendizado divertido e sem esforço, melhora a resolução de problemas, oferece feedback em tempo real e aprimora a experiência geral de aprendizado. Com o Metaverso, foi potencializada., uma vez que os usuários não estão apenas jogando, mas imersos no ambiente. “Combinando equipamentos VR/AR e as infinitas possibilidades do Metaverso, os instrutores podem criar atividades baseadas em jogos que os participantes podem concluir em ambientes totalmente realistas, que se assemelham a um cenário da vida real”, aponta Tatiany.

 

Oportunidade de colocar a “mão na massa” de forma segura

O Metaverso oferece abordagens imersivas e vivenciais que são mais atrativas para os funcionários e também influenciam diretamente os resultados da aprendizagem e a performance das companhias. Em vez de simplesmente ensinar teoria, as equipes obtêm uma prática genuína com outros colegas.

 

“Um bom exemplo é a MGM Resorts que se uniu à Strivr para dar aos funcionários em potencial a chance de experimentar seus empregos em VR antes de aceitar uma oferta de trabalho. Se alguém percebe que o trabalho não é para eles, a MGM economiza tempo e recursos por não ter que treinar e substituir alguém que não se adaptou a empresa”, avalia Tatiana.

 

Entre os aplicativos que a área de T&D pode usar para entrar no Mataverso, ela cita algumas opções já testadas:

 

1 - Horizon Woorkrooms

É uma das grandes apostas do Facebook, atualmente Meta. Essas salas de trabalho imersivas permitem que as pessoas se reúnam para seus treinamentos na mesma sala virtual, independentemente da distância física, mas de forma bem mais interativa do que as plataformas digitais atuais. Ela funciona tanto na realidade virtual quanto na web. E como é possível ingressar nesse ambiente de treinamento? Utilizando óculos de realidade virtual, o Meta Quest 2, que hoje está sendo vendido pelo próprio website do Meta ou pela Amazon e custa em torno de US$ 300.

 

Plataformas disponíveis: Meta Quest 2.

 

2 – MeetinVR

Outr plataforma que oferece diversos espaços para trabalho e treinamento, nos quais você e seu time podem colaborar, criar e interagir de forma imersiva. Há salas disponíveis para discussões de casos um a um, salas para pequenas reuniões de equipe, teleconferências maiores e até apresentações e palestras para toda a empresa.

 

O desempenho parece um pouco mais instável do que as visualizações do Horizon Workroom. Além disso, as imagens dos avatares são apresentadas só dos ombros para cima e você tem acesso à visão das mãos de cada participante. No entanto, ainda assim, segundo os usuários, cumpre suas promessas de aumentar conexão e aprendizagem remota.

 

Os recursos básicos do MeetinVR estão disponíveis gratuitamente e existem alguns planos pagos para 10 participantes por 35 Euros e outras opções de assinaturas para organizações maiores.

 

Plataformas disponíveis: Meta Quest 2, Meta Quest, Pico Neo 2, Pico Neo 3 Pro Oculus Rift e SteamVR.

 

3 - Noda

É um espaço de realidade imersivo ideal para brainstorm em que é possível construir e compartilhar modelos mentais 3D — mapas mentais, storyboards, diagramas de rede ou fluxo, planos de projeto — para aumentar sua produtividade, compreensão e conscientização.

 

Plataformas disponíveis: Meta Quest 2, Meta Quest, Oculus Rift, HTC Vive, Valve Index e Windows Mixed Reality.

 

Por mais céticas que algumas pessoas possam ser sobre esse novo universo, Tatiany explica que o Metaverso é o próximo estágio da internet e já está aqui. “Essa ferramenta abre as portas para novas possibilidades de capacitação e aprendizagem profissional. E como bem disse Regina Nowlan, da Training Magazine, a razão pela qual o treinamento e o desenvolvimento podem ser tão eficazes nesse ambiente é que o aprendizado imersivo oferece ensino prático sem precisar sair do mundo digital.