Gestão de Pessoas

13/03/2018 - 03h00

Recrutadores ainda possuem dificuldades na contratação de pessoas com deficiência

Recrutadores ainda possuem dificuldades na contratação de pessoas com deficiência

Para além das obrigações

                          Recrutadores ainda possuem dificuldades na contratação de pessoas com deficiência.

 

Apesar de terem conquistado direitos importantes na legislação brasileira, as pessoas com deficiência ainda enfrentam dificuldades e preconceitos no acesso ao mercado de trabalho. A qualidade das vagas que são destinadas aos profissionais com deficiência, por exemplo, é um dos principais problemas enfrentados pelos candidatos. realizada em parceria com a Catho, a ABRH Brasil e a ABRH São Paulo e conduzida pela i.Social - consultoria especializada na inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho -, apontou que 88% dos profissionais de RH entrevistados declararam que as empresas contratam pessoas com deficiência com foco unicamente no cumprimento da Lei de Cotas (nº 8.213/91). Ainda segundo a pesquisa, 64% dos profissionais de RH dizem encontrar dificuldades para enquadrar na cota os candidatos com deficiência.

 

 “Esse dado demonstra a importância da legislação para a inclusão e a necessidade que as organizações possuem de contar com ferramentas que as auxiliem nesse processo de recrutamento em que o foco seja apenas a escolaridade, a qualificação e a experiência profissional dos candidatos”, explica o diretor Diretor Comercial da Catho Empresas, Fernando Morette.

 

A dificuldade em encontrar candidatos com deficiência, um ponto sempre levantado por profissionais de RH, que consideram mais difícil encontrar candidatos com deficiência, em comparação a candidatos sem deficiência, mostra que quando pensamos no processo de inclusão, podemos concluir que para encontrar perfis mais adequados às oportunidades de trabalho é preciso ter uma maior oferta de candidatos disponíveis.

 

Por isso, ter um banco de currículo de profissionais PcDs mostra-se uma das soluções mais objetivas para os problemas de contratação desse público, uma vez que com este recurso é possível atestar que sim, existem profissionais diversos e qualificados para ocuparem seus postos no mercado independente de suas condições e, aqui, voltamos também à necessidade de uma oferta mais ampla de vagas. Ao mesmo tempo que é preciso profissionais mais qualificados, precisamos eliminar as barreiras que impedem os profissionais PcDs de encontrarem vagas adequadas às suas posições. A equação acaba sendo simples: maior diversidade na oferta de vagas somado a um banco de profissionais que possibilite encontrar profissionais para todos os tipos de vagas.

 

Observando esse cenário, em que organizações ainda possuem dificuldades de encontrar profissionais com deficiência e eles, do outro lado, têm dificuldades em encontrar vagas disponíveis para seus diversos perfis profissionais, a Catho liberou o uso gratuito de sua plataforma para Pessoas com Deficiência (PcD) e incluiu estes candidatos em todas as seleções de sua plataforma. Desta forma, as PcDs podem se candidatar a todas as vagas que desejarem e não apenas as destinadas para profissionais com deficiência. A plataforma considera os conhecimentos e as habilidades dos profissionais, mas não exclui os requisitos que as organizações estabelecem. Assim os candidatos são avaliados primeiramente pelas habilidades que possuem para ocupar o cargo, independentemente da sua deficiência, explica Morette.

 

Dentre os mais de 94 mil PcDs declarantes de todo Brasil cadastrados na Catho, mais de 12 mil currículos têm laudo médico validado e certificado do INSS, pronto para serem contratados e inseridos no mercado de trabalho, atendendo à Lei de Cotas. Além disso, existem também planos criados especialmente para apoiar o recrutamento de Pessoas com Deficiência. Soluções como essas são essenciais para auxiliarem - e incentivarem - as empresas no processo de inclusão social, visto que as informações sobre quais deficiências se enquadram na Lei da Cotas de PCDs ainda são muito confusas para as organizações, dificultando o entendimento de quais candidatos são, ou não, passíveis de serem inseridos na lei. Além disso, esse modelo facilita o encontro de empresas e profissionais, uma vez que a adesão para o profissional com deficiência é gratuita e as empresas podem realizar seus processos de recrutamento em uma única plataforma.

 

Preconceito - A pesquisa também indicou que a maioria dos gestores (64%) apresenta algum tipo de resistência quando é apresentado a um candidato com deficiência.  Aprender a respeitar e a lidar com o diferente ainda é um problema da sociedade, o que se reflete nos locais de trabalho, fazendo com que o preconceito seja a origem dos principais desafios enfrentados no processo de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. O índice de respondentes que declararam que as pessoas com deficiência sofrem preconceito no ambiente de trabalho é muito alto (mais de 60%), seja ele proveniente de colegas (47%), gestores (37%) ou até mesmo clientes (26%).

Se o preconceito contra as pessoas com deficiência no ambiente de trabalho é alto, o combate a este preconceito ainda é muito baixo: apenas 28% das empresas possuem algum tipo de programa focado na mudança desse cenário.

Existe ainda uma crença de que essas pessoas não são qualificadas o suficiente para preencher os requisitos das vagas, o que influencia diretamente na oferta nada diversa de vagas e na contratação apenas para cumprir a cota. Cerca de 59% dos respondentes têm uma percepção negativa em relação à qualificação dos profissionais com deficiência, considerando que eles estão um pouco ou muito abaixo da média. “Sobre esse ponto, a pesquisa mostra que mais da metade dos respondentes são profissionais que estão desempregados, têm alta escolaridade, idade economicamente ativa e deficiência adquirida. Esses dados permitem inferir que, antes da deficiência, havia uma possível condição de vida com experiência profissional e, nesse sentido, as principais preocupações das empresas no que diz respeito à acessibilidade, se desfazem”, esclarece o sócio-diretor da i.Social, Jaques Haber.

 

Lei de cotas para deficientes nas empresas

 

A empresa com 100 ou mais funcionários está obrigada a preencher de dois a cinco por cento dos seus cargos com beneficiários reabilitados, ou pessoas portadoras de deficiência, na seguinte proporção:

 

- até 200 funcionários.................. 2%

- de 201 a 500 funcionários........... 3%

- de 501 a 1000 funcionários......... 4%

- Acima de 1001 funcionários... 5%

 

Para mais informações acesse o site: https://www.catho.com.br/empresas/recrutamento-pcd/


 

Deixe seu comentário: